Sobre as tais regras de moda

Em 15.03.2016   Arquivado em Sem categoria

Vejo a moda como um poderoso recurso de expressão – para mim, uma garota sem muito traquejo, tão essencial quanto a escrita. Tal como a gramática, ela possui uma série de regras, e acredito que seja bom ter um certo conhecimento destas regras para subvertê-las nos pontos mais provocativos, aqueles capazes de sacudir as nossas cabeças. Juliana Romano e Bee Reis (For All Types) são duas de algumas das minhas musas e tornaram-se ícones de rebeldia fashion em meu percurso.

Recentemente, Jenny Beavan subiu ao palco do Oscar para receber o prêmio pelo figurino de “Mad Max – Estrada da Fúria” (George Miller, 2015). Beavan é conhecida por seu trabalho em Dália Negra, O Discurso do Rei, Anna e o Rei Cinderela Para Sempre  (o meu favorito!). Apesar da carreira imponente, os comentários, no entanto, se restringiram à sua jaqueta de couro, que trazia o símbolo de Immortan Joe em cristais Swarovski. Nos dias seguintes, desconsiderando as referências ao universo criado por George Miller no traje de Beavan, internautas e comentaristas falavam sobre como a figurinista havia desrespeitado o dress code do Oscar e insultado a própria profissão. Sobre o assunto, Jenny Beavan afirmou, com certa simplicidade, que não se sentia confortável com os trajes de gala.

 

Jenny Beavan sobre ao palco do Oscar com homenagem a Immortal Joe.

Jenny Beavan sobre ao palco do Oscar com homenagem a Immortan Joe.

Acredito que me vestir é uma das partes mais deliciosas de meu dia, e eu amo gastar energias assim: trata-se de um gesto criativo. Você pode fazer questão de usar a moda para se expressar ou pode não ligar muito para isto. Mas você sempre irá dizer algo com suas roupas. Não saber ou não fazer questão de dominar a arte da fala não significa que uma pessoa não tenha algo para dizer. E é neste ponto delicado que as tais regras de moda viram uma peleja.

Pense nas personalidades mais interessantes do mundo fashion: David Bowie, Madonna, Coco Chanel, Alexander McQueen, Iris Apfel, Diana Vreeland, etc. Todos eles causam e causaram rupturas de status quo. Em todos estes casos, a moda atua como uma aliada. A Moda não se impõe nas mãos de quem a faz, a domina e sabe lidar com seus dedinhos enxeridos.

Moda é, acima de tudo, sobre subversão. É sobre criar uma regra e virá-la ao avesso quando todos nos cansamos dela. Moda é sobre vencer o tédio e sobre o desejo constante da mudança. Moda é também sobre ignorar a Moda.

Poucas expressões me causam tanto asco quanto “ditadura da moda”. Moda e ditadura não têm qualquer afinidade entre si. Moda é, acima de tudo, sobre subversão. É sobre criar uma regra e virá-la ao avesso quando todos nos cansamos dela. Moda é sobre vencer o tédio e sobre o desejo constante da mudança. Moda é também sobre ignorar a Moda.

Eu gosto das regras. E gosto de conhecê-las bem para encontrar as suas brechas.  As expressões artísticas e culturais podem ser conduzidas e aperfeiçoadas. Mas isto é bem diferente de podar e excluir alguém. Não me venha com esta conversa boba sobre dress code enquanto ignora o que a moda tem de mais belo. Um viva à (necessária) autenticidade no mundo fashion.

Charli XCX - Break the Rules